• Laura Assis

Indian Candy

Com seu jeans azul e sua camisa

Branca, gola frouxa, desabotoada

Descalço à minha porta, olhando-me

Devora-me e eu, igualmente

Olho-me no reflexo no espelho

Na moldura, ao lado da porta

Falas, enche o ar com sua voz

Deliciosamente provocante

Mas meus pensamentos vagam

Em outro corpo, em outros lábios

Num hálito de hortelã

Que por força do destino nunca

Nunca mais voltei a sentir

Vago entre a sua presença

E a lembrança daqueles dias

De verão

Aqueles olhos quase verdes

Por onde eu me perdia

Constantemente

Onde eu mergulhava plena

Continuas de pé, à porta

Devorando-me e dizendo absurdos

Coisas que só você diz, coisas

Que você só diz pra me instigar

A pular nos teus braços e pedir

"Devora-me"

Mas eu deveria ter contado que

Quando te abraço, fecho os olhos

E penso nele, que se foi

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Obsidiana